Captação de água da chuva: uma versão simplificada

/
/
89 Views

A melhor época para providenciar um sistema de captação de água de chuva é antes das chuvas fortes. Por isso, nestes meses em que muitos estados brasileiros passam por um período mais seco (como São Paulo, onde moro), é um bom momento tanto para corrigir problemas com os telhados, como para planejar e instalar um sistema de captação de água das chuvas.

A captação de água das chuvas, realizada tanto por empresas e residências, não impacta apenas no orçamento. Com a impermeabilização das grandes cidades (São Paulo conta com um índice de impermeabilização de 45%), enchentes são assunto comum durante a estação chuvosa. Por isso, jardins, canteiros, telhados e fachadas “verdes” e captação de águas são ações importantes que cada um pode realizar para minimizar os impactos do crescimento desordenado das cidades.

Modelo de cisterna em tambor – baseado no modelo de mini cisterna da Sociedade do Sol

Elaborada pela Sociedade do Sol, a Minicisterna para Residência Urbana é um projeto versátil e de fácil execução, mas não menos eficiente. De fato, esse modelo apresenta tudo o que uma cisterna precisa, só que em escala para um tambor de 200 litros. Veja o desenho abaixo:

1- entrada da água de chuva na Minicisterna; 2- TÊ que direciona a água para o tubo redutor de turbulência e o excesso para o ladrão; 3- freio redutor de turbulência; 4- pequeno orifício para escorrer toda a água de dentro do redutor de turbulência, para quando esvaziar a Minicisterna; 5- pequena barreira para forçar com que o fluxo de água passe pela Minicisterna pelo item 3, para depois sair pelo ladrão através do item 6; 6- saída do excesso da água de chuva para o ladrão (extravasor), levando junto as sujeiras que ficam na superfície da água; 7- ladrão ou saída para mais uma bombona ou cisterna; 8- torneira para usar a água da Minicisterna; 9- válvula de retenção (válvula de pé ou válvula de poço); 10- saída para conectar a uma bomba de água para retirar a água da Minicisterna.; 11- válvula de tanque (ralinho) com registro para eliminar toda a água de dentro da Minicisterna; 12- mangueira (externa) para visualizar o nível da água (medidor volumétrico) de dentro da Minicisterna; 13- indicador do nível da água – bolinha flutuante preta; 14- abertura com tampa para colocar o clorador dentro da Minicisterna; 15- cordinha para prender o clorador na tampa (fio de PET); 16- clorador submerso (pequeno pote com alguns furinhos). Fonte: Sociedade do Sol

A vantagem desse modelo é que podemos adaptar segundo o espaço disponível e o tipo de uso destinado à água. Aqui em casa optamos por dois tambores de cerca de 220 litros. Um capta água exclusivamente para lavagem do quintal e o outro capta água para as plantas. Veja abaixo o tambor de água das plantas:

Meu sistema com um tambor usado de 220 lts

O sistema é bem simples: a água que desce da calha passa pelo rufo, passa pelo filtro de folhas e pedras, enche o dispositivo para separação da primeira água e depois vai para o tambor.

Filtro e recipiente para chuvas fracas

Para o filtro, fiz um furo no rufo com um kit corta-copo (furadeira) e fixei um pedaço de tela mosquiteiro no mesmo, usando Durepoxi. Repare que deixei uma queda dentro do furo, de forma a facilitar a saída das folhas.

Filtro

Fiz o recipiente para águas fracas no mesmo rufo.  Na ponta do mesmo, fixei a parte superior de uma garrafa de amaciante com Durepoxi e vedei com cola siliconada. Assim, quando esse espaço fica cheio (em chuvas médias e fortes) é que a água passa para o tambor.

Recipiente para chuvas fracas

O modelo de filtro da Sociedade do Sol é um pouco mais sofisticado, embora o trabalho compense pela estética da peça. O modelo de separador de águas, que é muito semelhante ao do livro Soluções Sustestáveis – Uso da Áqua na Permacultura, é o seguinte:

Com o compartimento cheio uma bolinha faz a vedação, mantendo a sujeira fora do tambor.

Depois do filtro e do separador, entra a torneira, que precisa ser posicionada um pouco acima da base do tambor para evitar os detritos no fundo do tambor. Nessa instalação pode-se usar um flange (de acordo com o tipo do tambor) ou fixar a torneira diretamente no tambor. Essa foi a opção que fiz, fixando a torneira com Durepoxi.

Por último, é preciso instalar um ladrão no tambor para dar vazão á agua excedente. Para isso, fiz um furo com o kit corta-copo no tambor e instalei uma curva. Cabe ressaltar que, caso o cano passasse de um lado a outro do tambor (modelo da Sociedade do Sol), a curva ficaria na ponta do cano.

Um outro item importante, que devo instalar em breve, é o compartimento para colocar cloro de origem orgânica, de forma a evitar proliferação de bactérias e outros microorganismos.

Por fim, considerei os demais itens do modelo de Minicisterna da Sociedade do Sol desnecessários para o que precisamos em casa, mas você deve avaliar conforme a sua necessidade. Para ajudar, relacionei abaixo quatro perguntas básicas que precisam ser feitas antes da instalação do seu sistema:

  1. Quais os usos que serão dados para essa água?
  2. Onde ficará o recipiente para a captação da água? O espaço que tenho fica próximo ao local em que farei uso da água? Caso negativo, como farei para a água chegar no local? – essas são questões importantes pois você pode captar a água mas, em função da dificuldade para usá-la, vai acabar desistindo no sistema.
  3. Conheço o uso e o local disponível. Como farei para instalar o tambor? – é preciso avaliar as modificações necessárias caso-a-caso.
  4. De quais materiais e equipamentos precisarei? – ter todos os itens a mão é fundamental para não deixar o projeto pela metade. Veja a lista de materiais sugeridos aqui.

16 Comments

  1. Unquestionably imagine that that you stated. Your favourite reason seemed to be at the net the easiest thing to keep
    in mind of. I say to you, I definitely get annoyed while folks think about worries that they plainly don’t understand about.

    You managed to hit the nail upon the highest and outlined out the entire thing with no need side effect
    , other people could take a signal. Will likely be back to get more.
    Thank you

  2. Please let me know if you’re looking for a article author for your
    blog. You have some really great posts and I believe I would be
    a good asset. If you ever want to take some of the load
    off, I’d love to write some content for your blog in exchange for a
    link back to mine. Please blast me an email if interested.
    Regards!

    Here is my webpage – http://Www.youtube.com

  3. Olá
    Infelizmente vivo de ceratocone e acreditem que a vemos a
    vida de outra forma devido a isto.

    Desde os meus dezoito anos que sei o que é sofrer de ceratocone

    Ler o teu artigo ajudou-me muito pois existe mesmo muitos doentes de
    ceratocone
    Os meus votos de felicidade a todos os doentes como eu

    Cumprimentos

  4. You will be amazed to learn that your year
    Facebook acquired more outings as compared to Google which
    means Facebook really favorite in addition to people wish to find
    specifics of Facebook additionally. They also offer custom
    packages to help you get upto twenty million Facebook fans.
    Some of my Facebook friends literally post every single day about a new promotion, contest, sale, blog post, etc.

  5. olá!

    você acoplou o rufo no cano que desce da calha? qtos metros tem este rufo?
    pra separar a primeira agua com folhas e sujeira do telhado, como faço?

  6. Olá! Gostaria de saber onde encontrar essas bombonas plásticas novas, aqui em São Paulo-Capital e na Região do Grande ABC, onde resido. Agradeço pela atenção.

    • Olá, Hilana.

      Dê uma olhada nesse link. Tem o endereço de várias empresas que trabalham com tambores novos e usados. Algum deve ser perto da sua casa.

      Abraços//

      Elaine

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

It is main inner container footer text